domingo, 10 de abril de 2016

Desemprego Estrutural!


Neste assunto você encontrará: O que é? Causas do desemprego estrutural, características, exemplos, diferença do conjuntural, relação com a globalização econômica. Bom estudo!!!!

O que é (conceito)

O desemprego estrutural é aquele gerado pela introdução de novas tecnologias ou de sistemas e processos voltados para a redução de custos.

Estes novos elementos afetam os setores da economia de um país (indústria, comércio e serviços), causando demissão, geralmente, em grande quantidade.

Principais causas do desemprego estrutural (exemplos):

- Implantação de robôs no processo de produção industrial.

- Instalação de caixas eletrônicos em agências bancárias.

- Informatização em empresas e órgãos públicos, visando diminuir os processos burocráticos.

- Uso da Internet para serviços bancários, compras online e outros serviços.

- Adoção de processos administrativos eficientes nas empresas, visando otimizar o trabalho e reduzir a mão-de-obra.

- Introdução de novas tecnologias, que visam a substituição de mão-de-obra humana por computadores e máquinas automatizadas.

Diferenças entre desemprego estrutural e conjuntural

Enquanto o desemprego estrutural é causado pela adoção de novas tecnologias e processos, o conjuntural é gerado por crises econômicas internas ou externas. Crises econômicas, geralmente, diminuem o consumo, as exportações, a produção e, por consequência de tudo isso, aumenta o desemprego.

Quando a economia de um país se recupera, após o fim de uma crise, o desemprego conjuntural tende a diminuir. No caso do desemprego estrutural, as vagas de emprego fechadas naquelas funções não são mais retomadas.

Desemprego estrutural e globalização

A globalização da economia, que ganhou força a partir da década de 1970, teve grande participação no aumento do desemprego estrutural no mundo todo. A globalização econômica fez aumentar a competitividade em âmbito internacional, principalmente através do comércio exterior, fazendo com que as empresas buscassem formas de reduzir custos de produção, comercialização e transporte. Entre estas formas, podemos citar as principais causas do desemprego estrutural: adoção de novas tecnologias e sistemas administrativos e produtivos de custos reduzidos (ambos com diminuição de mão-de-obra).

Setores da Economia!

Vídeo que apresenta o surgimento dos setores da economia!










Vídeo que descreve as atividades ligadas a cada setor da economia!


Commodities!


População X Área, por Continentes!




Alguns números dos continentes
Continentes Área (Km²) Número de países População
Ásia 43.608.000 49 4.166.700.000
América 42.960.000 35    940.300.000
África 30.335.000 54 1.033.000.000
Europa 10.498.000 49    732.800.000
Oceania   8.923.000 15      35.800.000
Antártida 13.340.000  0                    0
Fonte países: Países-Membros da Onu. Ano 2014
Fonte população: 
Fundo de População das Nações Unidas 2012 – Dados 2010
Observação: A Onu reconhece a existência de 193 países. Alguns países possuem território em dois continentes, sendo eles: Egito, Timor-Leste, Geórgia, Azerbaijão, Rússia, Cazaquistão, Turquia, Armênia e Chipre.

sábado, 9 de abril de 2016

Função do IBGE!






O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas – IBGE – é um órgão criado para levantar dados e informações sobre o território brasileiro. Trata-se de uma entidade muito importante, pois é a partir dos dados coletados pelo IBGE que é possível a elaboração de políticas públicas e um melhor conhecimento do país e do espaço geográfico.
Em seu site, o IBGE lista as seguintes atividades abaixo como sendo as suas principais funções:
- Analisar e criar dados estatísticos (população, renda, entre outros);
- Criação e análise de mapas e outras informações geográficas;
- Disponibilizar informações sobre o meio ambiente;
- Arquivar e divulgar informações sobre o país;
- Coordenar a produção de gráficos, dados e mapas sobre o Brasil.
Esse instituto é parte do Estado brasileiro, está oficialmente vinculado ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, além de possuir 27 unidades estaduais (uma para cada estado brasileiro), 27 setores de documentação e 581 agências de coletas de dados municipais. Além de tudo isso, o IBGE também mantém a Reserva Ecológica do Roncador, localizada próximo à capital Brasília.
Desde a época do Brasil Imperial existem órgãos do governo que tinham a função de levantar informações sobre o nosso território. Porém, o IBGE foi criado somente em 1936, pelo Governo Getúlio Vargas, substituindo o extinto Departamento Nacional de Estatísticas (DNE).
A cada dez anos, o IBGE realiza o Censo Demográfico, que é uma grande pesquisa em que funcionários pesquisadores visitam todos os lares e centros comerciais do Brasil para contar as populações e descobrir as suas características, tais como renda, local de nascimento, idade, religião e muitas outras.



ACESSE : http://www.ibge.gov.br/home/  



VÍDEO QUE ABORDA OS CONCEITOS RELACIONADOS A DINÂMICA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA.



Apresentação do CENSO!




O que é o Censo? - A palavra censo vem do latim census e quer dizer "conjunto dos dados estatísticos dos habitantes de uma cidade, província, estado, nação". O Censoé a única pesquisa que visita todos os domicílios brasileiros (cerca de 58 milhões espalhados por 8.514.876,599 km²). Para conhecer a situação de vida da população em cada um dos 5.565 municípios do país. Um trabalho gigantesco, que envolve cerca de 230 mil pessoas, bem diferente da pesquisa amostral, que, como o próprio nome indica, investiga uma amostra da população e, a partir de modelos estatísticos, chega à representação do todo.
Para que serve o Censo? - O Censo é a principal fonte de dados sobre a situação de vida da população nos municípios e localidades. São coletadas informações para a definição de políticas públicas em nível nacional, estadual e municipal. Os resultados do Censo também ajudam a iniciativa privada a tomar decisões sobre investimentos. Além disso, a partir deles, é possível acompanhar o crescimento, a distribuição geográfica e a evolução de outras características da população ao longo do tempo.
Que políticas públicas podem ser geradas a partir dos resultados do Censo? - Através do Censo, o poder público pode identificar áreas de investimentos prioritárias em saúde, educação, habitação, saneamento básico, transporte, energia, programas de assistência à infância e à velhice. E também selecionar locais que necessitam de programas de estímulo ao crescimento econômico e desenvolvimento social.
O Censo interfere nos repasses de verbas públicas? - Ao contar a população, o Censo produz resultados que servem de parâmetro para saber quanto cada cidade receberá de repasse federal. São os resultados do Censo que fornecem as referências para as estimativas populacionais realizadas nos anos seguintes, com base nas quais o Tribunal de Contas da União (TCU) define as cotas do Fundo de Participação dos Estados e do Fundo de Participação dos Municípios. Além de fornecer informações imprescindíveis para a distribuição orçamentária das pastas da Educação, Cultura, Saúde e Infraestrutura, baseadas no número e distribuição da população.
O Censo interfere na representação política? - Sim. São os resultados do Censo que fornecem as referências para as estimativas populacionais, com base nas quais é definido o número de deputados federais, estaduais e vereadores de cada estado e município.
Como a iniciativa privada utiliza os dados do Censo? - Os dados do Censo fornecem parâmetros para as decisões de investimentos do setor privado, como a seleção de locais para a instalação de fábricas, shopping centers, escolas, creches, cinemas, restaurantes etc.